• Resenha: O acordo

    Oii, gente, tudo bem?! Hoje venho trazer para vocês a resenha desse romance incrível, super chiclete, que li entre duas leituras mega pesadas. Acabei esse livro em 2 dias, e foi muito bom pra minha mente.

    Sinopse:

    Hannah Wells finalmente encontrou alguém que a interessasse. Embora seja autoconfiante em vários outros aspectos da vida, carrega nas costas uma bagagem e tanto quando o assunto é sexo e sedução. Não vai ter jeito: ela vai ter que sair da zona de conforto… Mesmo que isso signifique dar aulas particulares para o infantil, irritante e convencido capitão do time de hóquei, em troca de um encontro de mentirinha. Tudo o que Garrett Graham quer é se formar para poder jogar hóquei profissional. Mas suas notas cada vez mais baixas estão ameaçando arruinar tudo aquilo pelo que tanto se dedicou. Se ajudar uma garota linda e sarcástica a fazer ciúmes em outro cara puder garantir sua vaga no time, ele topa. Mas o que era apenas uma troca de favores entre dois opostos acaba se tornando uma amizade inesperada. Até que um beijo faz que Hannah e Garret precisem repensar os termos de seu acordo.

    Critica

    Hannah é uma personagem super interessante. Não é uma daquelas menininhas apaixonadas que largam de tudo pra ficar com o amor delas. Não. Ela é o oposto disso. É forte, determinada e muito, mas muito corajosa. Passou e aprendeu a lidar com questões e traumas do passado que ninguém nem imagina!

    E é isso que me surpreendeu, positivamente, nessa obra.

    Garrett, o garanhão do livro, não é nada insuportável a ponto de não conseguirmos engoli-lo. Ele é legal, só vem de uma familia que tem certo histórico… Mas nada que o manche na história, ainda bem.

    Com capítulos pequenos, Elle Kennedy deixa o leitor ávido por mais em 360 páginas. Personagens incríveis, enredo envolvente.

  • Universidades da Europa oferecem cursos grátis online

    Se antes da pandemia os cursos online de universidades do exterior já eram uma ótima opção para ter contato com a metodologia de ensino de excelência internacional e, ainda, dar um up no currículo, com a quarentena, então, esse tipo de aprendizagem ganhou ainda mais projeção.

    Veja opções de cursos oferecidos por algumas das mais prestigiadas universidades da Europa, de instituições de ensino superior que figuram entre as melhores do mundo. Confira

    University College London, na Inglaterra

    Fundada em 1826, a University College London é uma das universidades mais antigas do Reino Unido, Na página da UCL dedicada a cursos online, são 219 opções, divididas entre Desenvolvimento Profissional e Aprendizagem Pessoal.

    Um desses cursos é o de Antropologia das Redes Sociais. Gratuito e com cinco semanas de duração, tem como proposta discutir as consequências das mídias digitais, a partir de uma análise comparativa e antropológica de seu uso em todo o mundo.

    Imperial College London, na Inglaterra

    O Imperial College London é referência mundial em ciência e tecnologia, tendo desenvolvido pesquisas de impacto ao longo de seus mais de 110 anos de existência. Tanto é verdade, que a instituição britânica está por trás de algumas das previsões mais bem embasadas sobre as taxas de disseminação e mortalidade da Covid-19.

    O centro de excelência oferece 29 opções de cursos online de curta duração, oferecidos gratuitamente pelas plataformas edX e Coursera. Um desses cursos o “Ciência importa: vamos falar sobre Covid-19” desenvolvido por três professores do J-IDEA, o Instituto Abdul Latif Jameel para Análise de Doenças e Emergências. Ao longo de 16 horas, o aluno será capaz de aprender a rastrear tendências sobre a doença a partir de fontes confiáveis de informação, além de conhecer os principais fundamentos científicos de controle de surto baseados em evidências.

    O instituto oferece, ainda, cursos online e gratuitos sobre temas como Mudanças Climáticas, Contabilidade, Pensamento Criativo, entre outros.

    Universidade de Cambridge, na Inglaterra

    A Universidade de Cambridge é a segunda mais antiga universidade em língua inglesa do mundo, atrás apenas de Oxford. Embora não tenha uma grade extensa de cursos online gratuitos, ter a experiência de algum deles no currículo significa ter uma formação rápida certificada pela mesma instituição pela qual passaram figuras emblemáticas como Isaac Newton e Charles Darwin.

    Estão disponíveis oito opções de MOOCS (Massive Open Online Courses), além de um programa de oito meses sobre Escrita para a Indústria do Entretenimento

    Há, ainda, cursos já ministrados em outras plataformas e formatos, como o de Adaptação às Mudanças Climáticas (em áudio) e Marxismo (via YouTube), sem a opção de certificação. Há, ainda, a prestigiada plataforma de Cambridge para quem quer aprender Inglês.

  • Confira como obter bolsas de doutorado na melhor universidade da Suíça

    Oi, gente! Hoje trouxe para vocês essa oportunidade incrível postada pelo site Estudar fora, confira!!

    ETH Zurich, a melhor universidade da Suíça (e uma das 10 melhores do mundo) de acordo com os principais rankings universitários, está recebendo inscrições para as Engineering for Development (E4D) Doctoral Scholarships. O programa de bolsas de doutorado na Suíça contemplará dois estudantes de países em desenvolvimento (incluindo o Brasil) com bolsas para realizar seu doutorado na ETH Zurich. As inscrições vão até 30 de abril.

    O valor da bolsa é de 175 mil francos suíços (equivalentes a cerca de R$ 1,063 milhão na cotação atual) por três anos de doutorado, com possibilidade de extensão. Desse total, 166.800 francos suíços serão o salário do pesquisador ao longo dos três anos, e ous outros 8.200 francos serão referentes a despesas como passagens aéreas, auxílio-instalação e outros custos de deslocamento até o país.

    De acordo com o edital da bolsa, o valor do salário deve ficar dentro dos padrões da ETH Zurich. Por isso, caso os padrões da universidade mudem ao longo do período da bolsa, o valor total dela pode mudar também.

    Para se candidatar, é necessário preencher um formulário (disponível neste link) referente à sua proposta de pesquisa. Nele, o candidato deve explicar sua proposta, quais são seus objetivos, por que ela é relevante e como ela pode beneficiar pessoas pobres em países de baixa renda.

    Junto com a proposta, é necessário enviar também uma série de documentos, como CV, histórico acadêmico e duas cartas de recomendação. Outros documentos que o candidato julgar adequados, como publicações ou atividades prévias pertinentes à sua proposta, podem ser incluídas também. Os documentos devem ser enviados para o endereço e4d@sl.ethz.ch até o dia 30 de abril.

    Estudantes pré-selecionados precisarão depois elaborar, junto com seus supervisores na ETH Zurich, um projeto de pesquisa mais completo. Mais detalhes sobre essa segunda etapa podem ser vistos no edital do programa de bolsas.

  • Resenha: 1984- a distopia do individuo sob controle

    Oi, gente, tudo bem? Hoje trago a resenha desse livro que foi de uma leitura super difícil e arrastada, mas com um tema muito importante excelente para pesquisas.

    Sinopse:

    Destaca o romance antiutópico ou distópico ‘1984’, de George Orwell, que desnuda os perigos que cercam o idealismo homogeinizador das utopias políticas. … Por meio dessa discussão, busca-se lançar luz sobre os eventos e os processos socioculturais que fomentaram o “medo da utopia” na modernidade tardia.

    1984, do britânico George Orwell, lançado em 1949, foi leitura obrigatória para aqueles que, em meados do século XX, acreditavam que a literatura tem o poder de mudar o mundo. Naquela altura, o nome do autor, ou antes, o pseudônimo usado por Eric Arthur Blair (1903-1950), já era bastante conhecido entre seus conterrâneos, quer pela frequentação de outras modalidades discursivas, sobretudo em atividades jornalísticas, quer pela repercussão alcançada com a novela A Revolução dos bichos (1945). Em ambos os títulos ficcionais, a denúncia política e social é a tônica.

    Algumas décadas depois, sob os ventos do estruturalismo e de outros formalismos, em alguns círculos leitores, as expressões literárias marcadas pelo engajamento caíram no ostracismo. Entretanto, há marcas que não desaparecem tão facilmente. Umberto Eco ensina que algumas obras não podem mais ser lidas pela primeira vez, tantas são as referências culturais que nos permitem reconhecê-las, mesmo não as tendo lido. Um ocidental inserido na cultura letrada dificilmente deixa de apreender o sentido presente na expressão grande irmão, mesmo que a leitura de Orwell não faça parte de seu repertório. É bem verdade que essa disseminação foi grandemente favorecida pela adaptação cinematográfica (1956), sobretudo em sua segunda versão (1984).

    Pretende-se que, em tempos de globalização, faz pouco ou mesmo nenhum sentido apontar diferenças. Mas o empirismo nos diz, a todo momento, que a homogeneização é uma miragem. A produção, o papel e a difusão dos bens culturais apresentam variações no espaço e no tempo. Há uma coincidência, que pode ser mesmo coincidência, tantos são os acasos e azares editoriais, mas é possível que nem tudo seja acidental: O Reino deste mundo, de Alejo Carpentier – obra inaugural na América Latina no uso da ficção pela via do fantástico como denúncia dos diferentes totalitarismos que grassaram no continente no século XX – é lançada no mesmo ano do livro de Orwell.

    Crítica:

    Uma completa e importante análise sobre a caracterização do protagonista e sua revolta contra a sociedade distópica representada na narrativa, tambem tem um olhar crítico para o espaço e os temas abordados que nos leva a refletir sobre as práticas autoritárias que agridem a liberdade individual de escolha, ação e consciência inclusive nas sociedades atuais.

    Uma abordagem interessante e pertinente sobre os aspectos citados.

  • A importância da comunicação assertiva

    Confira um pouco sobre o artigo postado pelo site otempo.

    O sucesso de uma empresa depende de vários fatores como qualidade dos serviços oferecidos e preparação da equipe. Porém, uma característica que tem sido muito valorizada atualmente é a capacidade dos profissionais de se comunicarem de forma clara.

    Com isso, a comunicação assertiva está entre as “soft skills” mais valorizadas do mercado, segundo dados da empresa de consultoria McKinsey. De acordo com a pesquisa da revista britânica “The Economist”, 44% das empresas relatam que a falta de comunicação interna causou atrasos nos processos, por isso os profissionais com boa comunicação têm ganhado destaque.

    A comunicação assertiva é caracterizada pela capacidade do profissional em se expressar de forma objetiva, direta, confiante e sem abrir margem para outras interpretações. Vale destacar que essa comunicação é firme, mas não é agressiva. A empatia e a objetividade andam juntas no diálogo assertivo.

    Para as empresas, essa característica é benéfica para os líderes e funcionários. Uma vez que a comunicação é objetiva, é possível observar um aumento na produtividade da equipe. Além disso, em momentos de conversas difíceis, como em um corte de gastos, a assertividade se torna bastante necessária.

    A falta de empatia, planejamento e controle da emoção pode tornar um conflito ainda maior. Por isso, é necessário que os líderes e colaboradores saibam como se comportar nessas situações, para tornar o trabalho mais eficaz.

    Para desenvolver essa característica, o profissional deve seguir algumas etapas. A primeira é prestar atenção à linguagem e na escolha das palavras, aspectos que contribuem para a clareza e objetividade dos discursos.

    Além disso, saber como trabalhar as emoções é uma boa forma de garantir que não ocorra problemas de entendimento ou desavenças. Saber aceitar elogios e críticas também é um fator que contribui para a fluidez da comunicação entre a equipe.

    É fato que, ao se falar de comunicação em uma empresa, a impulsividade pode ser um fator prejudicial. Por isso, cabe aos gestores e aos colaboradores analisarem a situação antes de comunicar algo, de forma que a mensagem seja efetiva. Para situações de conflito, essa é uma etapa importante que evita ruídos na comunicação.

    Apesar de a comunicação fazer parte do dia a dia, desenvolvê-la é um processo que exige conhecimento e aprimoramento. Quem domina a comunicação assertiva se torna mais ágil, consegue trabalhar com diferentes pessoas e situações. Por isso, a comunicação assertiva deve fazer parte do perfil daqueles que querem mais destaque no meio profissional.

  • Saiba como é fazer intercâmbio na Noruega

    Oi gente, tudo bem?! Hoje trouxe essa matéria que vai falar um pouco sobre como é estudar na Noruega, postada pelo site Estudar Fora!

    O país tem uma população bem reduzida, se comparada ao Brasil. São, ao todo, 5,3 milhões de habitantes. Por isso, a Noruega procura profissionais estrangeiros para suprir a demanda em áreas como as de engenharia, principalmente aqueles que atuam nas áreas de perfuração, automação, hidráulica, mecânica e mecatrônica. A procura também é grande, em especial, nas indústrias de petróleo, gás e naval. Além disso, há oportunidades para médicos, enfermeiros e profissionais de educação.

    Como funciona o ensino superior na Noruega?

    De acordo com o site studyinnorway.no, “universidades públicas da Noruega não cobram, por padrão, anuidade de qualquer estudante, incluindo estudantes internacionais. Isto se aplica para todos os níveis, incluindo graduação, mestrados e PhD. No entanto, os estudantes deverão pagar uma taxa semestral de manutenção que varia entre 300 e 600 coroas norueguesas”, o que dá cerca de R$ 150 a R$ 300 na cotação atual.

    Comparando com os valores de anuidade de universidades americanas e inglesas, e até mesmo com universidades particulares do brasil, estas 600 coroas – ou 300 reais – são um valor simbólico. O custo de vida no país, porém, é considerado um dos mais altos do mundo. Estima-se que um estudante possa gastar entre 7 e 9 mil coroas por mês, equivalente a aproximadamente 3,5 a 4,5 mil reais.

    Intercâmbio na Noruega: como funciona o visto de estudante?

    Para requisitar o visto de estudante ao governo norueguês, o aluno precisa apresentar documentos como a carta de aceitação de sua universidade e comprovante de residência no país. Além disso, deve depositar, em uma conta bancária da Noruega, o valor estimado para sobreviver ao longo de todo o ano acadêmico, que é cerca de USD 11.700.

    Também é possível recorrer a bolsas de estudos para estudar no país. O programa Mobility Grant for Norwegian Language and Literature, por exemplo, oferece USD 1.200 mensais a alunos que desejam estudar a cultura norueguesa por um a três meses no país.

    Quais são as melhores universidades da Noruega?

    Universidade de Oslo já é reconhecida pela sua qualidade de ensino e é a melhor colocada em rankings internacionais. Em 2015, o ranking da Times Higher Education a considerou a 135ª melhor do mundo, e a sétima dos países nórdicos. A instituição possui aproximadamente 27 mil estudantes e é a única universidade do mundo que já esteve envolvida em uma premiação do Nobel – o Nobel da Paz foi concedido no átrio da Universidade entre 1947 e 1989.

    Em segundo lugar entre as instituições norueguesas, está a Universidade de Bergen, localizada na segunda maior cidade do país. Ao todo, a universidade tem mais de 16 mil estudantes, e por volta de 1500 são estrangeiros. Como a maioria das instituições de ensino superior da região, Bergen não cobra tuition, apenas um valor simbólico por semestre. Com sete faculdades, Bergen agora ganha força também com programas multidisciplinares de mestrado.

    Intercâmbio na Noruega durante o ensino médio

    Outra opção para quem deseja estudar na Noruega está nos United World Colleges (UWC), colégios internacionais localizados em diversos países, que têm como missão promover a paz e a compreensão entre os povos por meio da educação. O UWC oferece bolsas parciais e integrais de estudo a jovens que tenham entre 15 e 18 anos de idade e estejam no primeiro ou segundo ano do ensino médio.

    Mestrado em Negócios Internacionais na Noruega

    Para quem deseja fazer mestrado na Noruega, há diversas opções de cursos em inglês. Um deles é o de Mestrado em Negócios Internacionais, ministrado pela Escola Norueguesa de Economia (NHH), em Bergen – a maior instituição de pesquisa em economia e administração de empresas da Noruega.

    O programa visa capacitar profissionais que queiram seguir carreira em multinacionais ou mesmo empresas menores que tenham muitos negócios no exterior. Financiado pelo governo, o mestrado é gratuito e tem duração de dois anos. As inscrições abrem em novembro.

  • Acordar, despertar

    Acordar,

    Respirar fundo. Levantar, ir pra janela.

    Olhar lá pra fora, pro céu, pro sol.

    Ver o dia, acordar.

    Despertar.

    Fazer o corpo entender que é um novo dia a começar, uma nova chance, um novo começo. Mais uma chance.

    Acordar, despertar.

    É hora de viver, respirar, saborear a vida igual se saboreia um prato de comida preferido.

    De começar de novo, de partir pra ação, de seguir em frente.

    Um pé depois do outro.

    Andar pra depois correr.

    Despertar.

  • Resenha: A garota do lago

    Oi, gente, tudo bem?!Hoje venho trazer para vocês uma resenha desse livro incrível que li, junto com uma amiga. Foi uma experiência super legal, então já indico vocês a fazerem leitura coletiva, com alguém mesmo.

    Sinopse:

    Nas montanhas em uma pequena cidade chamada Summit Lake aconteceu um crime cruel. Rebecca Eckerley é violentada e brutalmente assassinada. Filha de um advogado rico e importante, vinda de uma família tradicional, ela sempre mostrou-se uma moça quieta e estudiosa.

    Crítica:

    Em um livro curto (296 pags), Charlie deixa o leitor ávido e louco, por achar em um momento que já sabe quem é o culpado, o assassino, na história, e em um momento seguinte, desbancar completamente suas ideias.

    O autor contextualiza o tempo inteiro, seja o local em que a história se passa, deixando o leitor cada vez mais familiarizado com a história, sejam os personagens – seus passados, suas histórias pessoais e íntimas- permitindo com que o leitor se apegue a personagens e crie juízos sobre os mesmos.

    Com capítulos pequenos, Charlie joga pequenos gatilhos no final de cada capítulo para que o leitor queira ler mais e mais, acabando o livro em pouquíssimo tempo! É incrível. Cada momento que sentei para ler, queria ficar horas e horas perdida ali, em Summit Lake.

    O livro aborda temas delicados, como violência contra a mulher, estupro, mas de uma forma “leve” (na medida do possível, né), que não deixa o leitor assustado, nem traumatizado ou algo do tipo.

    Leitura totalmente fluida e tranquila. A garota do lago é um suspense que não dá medo, dá nervoso, ansiedade, raiva também – o leitor se pergunta como teria sido a vida da jovem assassinada, se não tivesse sido perdida-.

  • Especial: Dia Mundial do livro

    Oi, gente, tudo bem?!

    Então, como vocês já devem estar cientes, hoje, dia 23 de Abril, é dia mundial do livro. Eu não poderia deixar de vir trazer um post para vocês com as melhores promoções da AMAZON! Vamos lá?

    Esse post foi criado pelo site tecmundo.

    Se você não abre mão de um livro físico e está procurando o que ler, temos uma lista com 10 sugestões de livros por menos de R$ 15. A lista possui ficção, terror, auto-ajuda, suspense e muito mais. Confira.

    Livro A garota do lago, Charlie Donlea 8,90.

    Sinopse: Summit Lake, uma pequena cidade entre montanhas, é esse tipo de lugar, bucólico e com encantadoras casas dispostas à beira de um longo trecho de água intocada.Duas semanas atrás, a estudante de direito Becca Eckersley foi brutalmente assassinada em uma dessas casas. Filha de um poderoso advogado, Becca estava no auge de sua vida. Atraída instintivamente pela notícia, a repórter Kelsey Castle vai até a cidade para investigar o caso. …E LOGO SE ESTABELECE UMA CONEXÃO ÍNTIMA QUANDO UM VIVO CAMINHA NAS MESMAS PEGADAS DOS MORTOS…E enquanto descobre sobre as amizades de Becca, sua vida amorosa e os segredos que ela guardava, a repórter fica cada vez mais convencida de que a verdade sobre o que aconteceu com Becca pode ser a chave para superar as marcas sombrias de seu próprio passado.

    Livro O homem mais rico da Babilônia, George S Clason 13,90.

    Sinopse: Com mais de dois milhões de exemplares vendidos no mundo todo, O homem mais rico da Babilônia é um clássico sobre como multiplicar riqueza e solucionar problemas financeiros. Baseando-se nos segredos de sucesso dos antigos babilônicos ― os habitantes da cidade mais rica e próspera de seu tempo ―, George S. Clason mostra soluções ao mesmo tempo sábias e muito atuais para evitar a falta de dinheiro, como não desperdiçar recursos durante tempos de opulência, buscar conhecimento e informação em vez de apenas lucro, assegurar uma renda para o futuro, manter a pontualidade no pagamento de dívidas e, sobretudo, cultivar as próprias aptidões, tornando-se cada vez mais habilidoso e consciente.

    Livro O morro dos ventos uivantes, Emily Brontë R$13,33

    Sinopse: Único romance da escritora inglesa Emily Bronte, O morro dos ventos uivantes retrata uma trágica historia de amor e obsessão em que os personagens principais são a obstinada e geniosa Catherine Earnshaw e seu irmão adotivo, Heathcliff. Grosseiro, humilhado e rejeitado, ele guarda apenas rancor no coração, mas tem com Catherine um relaciona- mento marcado por amor e, ao mesmo tempo, ódio. Essa ligação perdura mesmo com o casamento de Catherine com Edgar Linton.

    Livro Pequeno manual antirracista, Djamila Ribeiro R$13,90

    Sinopse:

    Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. Em onze capítulos curtos e contundentes, a autora apresenta caminhos de reflexão para aqueles que queiram aprofundar sua percepção sobre discriminações racistas estruturais e assumir a responsabilidade pela transformação do estado das coisas. Já há muitos anos se solidifica a percepção de que o racismo está arraigado em nossa sociedade, criando desigualdades e abismos sociais: trata-se de um sistema de opressão que nega direitos, e não um simples ato de vontade de um sujeito. Reconhecer as raízes e o impacto do racismo pode ser paralisante. Afinal, como enfrentar um monstro desse tamanho? Djamila Ribeiro argumenta que a prática antirracista é urgente e se dá nas atitudes mais cotidianas. E mais ainda: é uma luta de todas e todos.

    * Prêmio Jabuti 2020 na categoria Ciências humanas. *

    1984 Capa comum – Versão integral, 1 janeiro 2021 – R$13,90

    Sinopse: Publicado em 1949, o texto de Orwell nasceu destinado à polêmica. Traduzido em mais de sessenta países, virou minissérie, filmes, quadrinhos, mangás e até uma ópera. Ganhou holofotes em 1999, quando uma produtora holandesa batizou seu reality show de Big Brother. 1984 foi responsável pela popularização de muitos termos e conceitos, como Grande Irmão, duplopensar, novidioma, buraco da memória e 2 2 5. O trabalho de Winston, o herói de 1984, é reescrever artigos de jornais do passado, de modo que o registro histórico sempre apoie a ideologia do Partido. Grande parte do Ministério também destrói os documentos que não foram revisados, dessa forma não há como provar que o governo esteja mentindo. Winston é um trabalhador diligente e habilidoso, mas odeia secretamente o Partido e sonha com a rebelião contra o Grande Irmão.

    Livro Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século, Augusto Cury – R$10,99

    Vivemos em uma sociedade de excessos. Somos bombardeados por informações que, na maior parte das vezes, não conseguimos absorver. Somos cobrados, pressionados, nos tornamos reféns da nossa mente. Essa situação alterou algo que deveria ser inviolável – o ritmo de construção de pensamentos -, gerando consequências seríssimas para a saúde emocional, o prazer de viver, a inteligência, a criatividade. Pensar é bom, pensar com consciência crítica é melhor ainda, mas pensar excessivamente é uma bomba contra a qualidade de vida e um intelecto criativo e produtivo.Em Ansiedade: como enfrentar o mal do século, o conceituado psiquiatra e psicoterapeuta Augusto Cury apresenta a Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA), uma das doenças mais penetrantes da atualidade. Ainda pouco conhecida por psicólogos e psicopedagogos, não raro a SPA é confundida com hiperatividade ou transtorno do déficit de atenção. Neste livro, você conhecerá os sintomas e as consequências desse mal bem, como as técnicas para enfrentá-lo e recuperar sua tranquilidade, emocional e mental.

  • Com ajuda de projeto gratuito aluna tira nota mil na redação do Enem

    Iniciativa online do IFMG para correção de textos foi fundamental no desempenho da estudante Adrielly Clara, que pretende cursar Letras na faculdade

    Oii, gente, tudo bem?! Hoje venho trazer essa notícia linda e cheia de esperança, postada pelo Guia do Estudante.

    A aluna do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), Adrielly Clara Enriques, 18 anos, foi uma das 28 pessoas que tiraram nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020.

    Durante a pandemia, a jovem estudou por meio de videoaulas e utilizou para corrigir as redações uma plataforma online gratuita, onde atua como professora bolsista voluntária.

    PREPARAÇÃO

    Na preparação para a avaliação, a jovem viu a necessidade de pagar um curso online com aulas voltadas às áreas de ciências exatas e biológicas, porque sentia dificuldades nessas matérias. “Mas não fiz nem um outro, nem mesmo de redação”, comenta.

    Para a redação, Adrielly se preparou com auxílio do projeto “ConTEXTO do Enem“, que é mantido por alunos e professores do IFMG do campus de Ouro Branco.

    A iniciativa é gratuita e qualquer pessoa do Brasil pode se cadastrar para solicitar correções de textos, que são realizadas de acordo com o modelo de vista pedagógica do Enem.

    “Desde fevereiro busquei fazer uma dissertação por semana. Depois de receber a correção com as notas, conversava com a monitora do projeto para entender onde precisava melhorar”, explica Adrielly. Os professores também foram essenciais na conquista da tão sonhada nota mil na redação. “Quando eles apontavam erros em determinado quesito de avaliação, por exemplo, no uso da vírgula, eu assistia vídeos no YouTube sobre o assunto até conseguir me aperfeiçoar”, comenta.