A Aposta – 16

-Ah, cala boca, Gabriela. –Rimos –Enfim. Minha mãe vinha me visitar de vez em quando, mas depois que eu cresci, ela ficou bem mais presente.. 
-Por que? 
-Meu pai teve um tumor no cérebro e foi ficando cada vez mais debilitado. Faleceu tem uns 3 anos. –Eu disse logo, com um nó na garganta. 
Eu nunca me abria com ninguém, não fora atoa que o tempo todo, Gabriela só falava dela. 
-Céus. Eu sinto muito, Noah.. 
-Tudo bem. Meu ultimo contato com ele foi quando ele estava no hospital. –Comecei a sorrir, fitando o nada e lembrando daquele dia, como se eu tivesse revivendo aquele momento –ele sorriu pra mim, e disse ´´cuide bem das nossas garotas. Você um dia vai achar a minha nora. Eu posso não estar mais aqui, mas você vai saber quem é ela.´´ E me entregou a aliança de casamento dele.
-Nossas garotas. –Nós rimos um pouco. –Caramba! Ele foi um pai e tanto..
-Com certeza. Ele me ensinou muita coisa que eu sei e sou hoje. 
-Valeu, tio Puckerman. –Gabriela disse, olhando pra cima e caímos na gargalhada de novo. 
-Enfim. Eu já disse tudo que você precisava saber, satisfeita? –Ela assentiu, sorrindo sem graça. –Eu não curto falar muito de mim, Gabi. Eu nunca falo de mim pra ninguém. 
-Você nunca teve alguém pra desabafar e tudo mais? 
-Eu tinha um velho companheiro do colégio e comecinho da faculdade, John. Ele era bacana. Nós conversávamos sobre tudo, já com a convivência desde garotos, você sabe –ela assentiu, prestando atenção –Mas aí.. Teve uma época meio conturbada.. Ele entrou pra um mundo erradão, e conheceu uma garota. Ah.. Ela acabou com ele. Ele morreu de overdose. 
-Por isso você sente tanta raiva das garotas? 
-Não é raiva, sabe? Eu só não costumo me apegar. Eu trato bem, eu gosto. Mas eu não demonstro sentimentos, nem nada. Porque, a ultima vez que me permiti fazer isso, só ficou batendo essa história dele em minha mente..Uma garota levou meu melhor amigo, cara. Uma garota. 
-Nem todas são iguais.. 
-Ah, são. Pode apostar, que são. As mesmas neuras, os mesmos stress, ciúmes e essas coisas. Você é novinha ainda, ainda tem muito o que aprender e entender. 
-Bom, vamos pra fila logo, certo? –Ela do nada falou, abrindo a barraca e saindo. –Se quiser, pode ir pra casa descansar enquanto eu fico aqui. 
-To bem. Já tomei banho, está tudo arrumado aqui.. Eu aguento. 
-Ótimo. 
Fomos pra fila, tiramos nosso ingresso, e já entramos no local onde ocorreria o show. Já tinha um bocado de pessoas lá dentro, aguardando. 
-Vou pegar um pouco d’agua. Quer? 
-Não, não. Obrigado. 
Gabriela se afastou e eu fiquei de pé, apenas olhando o palco, as estruturas ao lado e essas coisas. 
-Noah?!
Ouvi uma voz familiar me gritar atrás de mim, e assim que me virei, não acreditei. 
Era Sasha Bailey, a garota que estudou o fundamental e médio inteiro comigo. Ela era (e pelo visto ainda é) maior gata! Estava extremamente gostosa. Morena, alta, e mulher do jeito que eu gostava. Pois é, desde os 14, eu tinha bom gosto. Já que foi com ela que perdi a virgindade. É, passado, passado.. 
-Sasha?
-Noah! –Ela correu pra perto de mim, me dando um forte abraço. 
-Quanto tempo, ein! –Afaguei suas costas e logo depois nos afastamos, ainda com grandes sorrisos no rosto. 
-Caraca, muito mesmo! Como vão as coisas? Eu fiquei sabendo que você tinha se mudado pra cá.. 
-É, vão bem! Veio pra cá somente pelo show? 
-Sim, claro! Eu não perderia The Maine por nada nessa vida! 
Éramos loucos pela banda desde pequenos. É, grande fato do qual nos aproximou. 
-Está certo! Acampou? 
-Não, um amigo guardou lugar pra mim.. –Ela continuava dizendo, sorrindo e sem tirar os olhos de mim. –Cara, foi muito bom te encontrar por aqui. 
-Eu que o diga! Faz o que lá na Califórnia? 
-Eu agora estou em Londres! –Ergui a sobrancelha –É! Faço moda lá, agora.
E ela estava com um corpo escultural mesmo. 
-Caramba! Magnífico.. 

-Está sozinho? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *