A Aposta – 23

-Eu não saberia o que fazer. –Ela sussurrou, voltando a chorar.
-É exatamente isso que eu temo. Por que você foi fazer isso comigo, Gabriela? –Soquei o volante, engolindo as lágrimas e a dor de traição que eu sentia. 
Parei o carro em frente ao aeroporto, e ela apenas olhou pela janela, e depois, voltou a olhar pra mim: 
-Eu preciso ir.. Você sabe. Ela precisa de mim agora. Eu devo voltar semana que vem.. será que a gente pode conversar? 
-Até você voltar já vai ter passado um tempo. E a gente conversa, ta? A gente conversa. Eu só preciso desse tempo. 
-Tudo bem. 
Ela suspirou, ajeitou a bolsa, e no momento que abriu a porta, eu segurei-a pelo braço, puxando-a pra perto de mim, e beijando-a. 
Deixei todo o rancor e o ciúmes ir embora, apenas senti aquele beijo. E aproveitei cada segundo. Passei minha mão pra sua nuca, e ela logo me abraçou bem forte depois do beijo. 
-Eu não saberia o que fazer se não tivesse te conhecido, Noah. –Ela sussurrou, enquanto nos abraçávamos. –Obrigada por tudo. 
-Faça uma boa viagem. 
Dei um sorriso forçado, e ela saiu do carro. Quando entrava no aeroporto, ela se virou, deu um sorriso bem fraco e deu um ´´tchauzinho´´. Assenti com a cabeça e sorri, já ligando o carro e indo embora dali. 
E mesmo segundos depois, parecia que eu tinha deixado uma parte de mim no aeroporto. 
-Gabriela’s POV:-Mamãe, o que você faria se tivesse iludido uma pessoa, e no final, acabou se apaixonando por ela? E tivesse algo que te prendesse a ela ainda ? 
-Eu não sei, Gabi. –Mamãe disse ajeitando sua bolsa logo quando chegamos na Flórida. 
Depois de longas horas de voo. 
-Acho que.. Tentaria conquistá-la, novamente. Ou algo do tipo. Por que diz isso? 
-Nada. Só pra saber.
-Filha.. Eu me separei do seu pai, porque o tempo não foi tão bom pro nosso casamento como imaginamos. Mas eu estou aqui, eu estarei sempre aqui pra você. Me conte o que houve? 
-Eu errei feio com Noah, mamãe. E eu acho que amo ele. 
-Acha que ama? –Ela riu um pouco –Filha, você só tem 17 anos.. 
-Mas eu tenho sentimentos, mamãe. E Noah tem 20. Ele já é um homem, né mamãe..
-É, eu sei. Gostei daquele rapaz.
-Eu também, mamãe. Eu também. 
Fomos em silencio até seu apartamento, e assim que chegamos, apenas tomei um banho, desfiz minha mala, e fiquei conversando um pouco com minha mãe.
Tentando contar qualquer coisa pra ela, sendo do colégio, ou das meninas.. Mas minha mente não parava de pensar em Noah. 

O final de semana inteiro foi isso. Eu saia com minha mãe, conversávamos, mas no final das contas, ele não saia da minha cabeça. 
Até no domingo, minha mãe assim que eu acordei e estava tomando café, dizer: 
-Por que você não vai embora hoje? 
-C- Como assim mãe?
-É, ué. Você errou, e gosta desse rapaz. Não tem o que perder aqui, meu amor. Volte hoje pra Nova York, e se acerte com ele. Quem sabe mais tarde vocês não voltam pra cá juntos? 
-Mas mãe, eu vim ficar com você e.. 
-Acabou falando dele o final de semana inteiro. –Ela riu um pouco desconfortável, percebi. –Eu sei que tentou não tocar no assunto que envolvesse ele, meu bem. Mas é maior que você. Eu entendo isso. Já passei por isso. E como conselho de mãe, peço pra que volte hoje. Agora mesmo, se quiser.

-Nossa, mãe, está brincando não esta? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *