A Estagiária – 16

Cerca de dez da noite – sim, dez da noite. Chegamos ao bar por volta de 18h, e voltamos pra casa as dez- fomos pra casa.
Graças a Deus, papai e mamae estavam dormindo. 
-Vamos pegar um dos primeiros voos amanha, por favor. Só quero ir pra casa. – Jeremy disse, antes de entrar em seu antigo quarto.
-Tem certeza?
-Absoluta. 
-Ta bem, entao. Eu te acordo. 
-OK. Boa noite, Han. E obrigada por hoje. –sorriu, entrando. 
-Que nada, cara. 
Tomei um banho e assim que deitei na cama, pronta pra dormir, recebi uma mensagem de Thomas. 
“Como foi o almoço com seus pais?”
“Nao tao bom quanto esperado. Mas normal. E como ta ai? Nao morreu de fome ainda, pelo visto?”
“Ha-ha, engraçadinha. Nao! Voce vai na festa de semana que vem, com o pessoal?”
Ele falando comigo dessa forma parecia até que eramos amigos de trabalho, ou sei la. 
Tudo menos chefe e empregada.
“Sim! E voce?”
“Sério? Nao achei que voce fosse do tipo que curtia festas, haha. Vou sim. Tava precisando de uma festa pra distrair a mente.”
“É a segunda vez que voce diz pra mim que nao tenho cara de quem curte festas!”
“Sei la. Voce é meio seria as vezes, achei que preferisse ficar em casa.”
“Ah, ta certo. Mas a gente se ve nesse dia e lá voce me diz se ainda vou ter cara de quem curte ficar em casa, fazendo nada!”
“Espero J” 
Ri, desligando minha internet e indo dormir, de vez, dominada pelo cansaço e pelo alcool. 

Acordei com meu despertador tocando as 8 da matina. 
Puta merda. 
Minha cabeça doía e eu só queria dormir por mais umas dez horas. Eu havia passado a semana toda correndo, de um lado para o outro na empresa feito doida. Precisava muito de um descanso. 
Tomei um banho rapido, troquei de roupa e fui acordar meu irmao. 
-Ei, acorda, anda. Precisamos voltar pra casa!
-Ah. Ta. – Jer disse se sentando na cama. –Sao que horas? Que horas é nosso voo?
-Sao oito e pouca e nosso voo é na hora que a gente chegar no aeroporto e comprar nossas passagens. 
-Puta merda. – ele deu logo um salto da cama e foi pro banheiro. 
Desci pra tomar cafe com meu coraçao na boca: eu nao sabia que tipo de pais eu encontraria na cozinha: pais bravos, decepcionados, tristes, indiferentes.. 
Na verdade, nessa situaçao, nem sei qual seria pior. 
-Oi. – falei assim que passei pela sala e vi minha mae sentada, assistindo a tv. – vou só tomar um café e vou leva-lo pra casa.
-Seu pai saiu hoje cedo, pra caminhar. Voce sabe o porque. 
Papai só caminhava quando ele precisava pensar. Ele dizia que os pensamentos vem, no ritmo que suas pernas se movem. 
-OK. Tudo bem. 
Peguei meu café na cozinha, umas torradas e me juntei a ela no sofá, por uns instantes. 
-O que é que está acontecendo com a gente, Hanna? Nós costumavamos ser tao bons nisso.. Aí voce foi embora.. Jer foi embora.. Nos vemos voces no maximo uma vez ao mes.. É assim que vai ser nossa familia de hoje em diante?
-Enquanto voce deixar o papai tomar decisoes sobre tudo, decisoes que poem na frente o que as pessoas pensam da nossa familia, e nao o que nós pensamos da nossa familia, parece que sim, mamae.
-Vamos? – Jer desceu assim que eu disse. – Nao quero ficar esperando muito no aeroporto. 
-Eu posso levar voces.. 
-Eu to de carro. –falei, meio infeliz. Minha mae nao era a malvada da história. – prometo vir aqui mais vezes, assim que possivel. 
-E como está o trabalho? 
-Bom. Bem. Meu chefe é legal, o pessoal é legal. Acho que esse é pra valer.
-Bom.. legal. Legal. Espero que continue dando tudo certo. – ela levantou pra me abraçar. – fica bem, filha. Eu amo voce.
-Tambem amo voce, mae. Vou te esperar no carro. 
Dei um minuto a sós pra minha mae e meu irmao, e fui ligar o carro pra esquentar. 
Minutos depois, Jeremy entrou no carro e fomos pro aeroporto. 
Deixei-o em casa depois de um longo abraço e mais um pedido de desculpas. Se eu nao tivesse insistido pra ele ir nesse almoço.. 

Fui pra minha casa, tomei um banho e passei o domingo do jeito que ele rendia pra mim: deitada na cama, lendo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *