A Estagiária – 21

Dancei e enchi a cara até nao poder mais, alias, até Thomas dizer que ia me levar pra casa porque “estava na hora”. 
-Vamos, nao tem problema.
-Mas eu moro looooonge.. – eu lembro de dizer, meio tropega, saindo do clube com ele. 
-Nao mora nao, Hanna. – ele riu. Ele nao estava sóbrio, mas estava bem melhor que eu. 
Thomas chamou um táxi rapidamente, me lembro de entrar nele e deitar minha cabeça no seu ombro. 
-Que cheiro é esse? – eu falei, franzindo meu nariz e cheirando seu pescoço. 
-Ah, é meu perfume novo. 
-O antigo era melhor. Nao use isso de novo. – resmunguei. 
-É? 
-É. 
-Voce achava meu outro perfume melhor, entao?
-Sim, retardado. Quantas vezes vou precisar repetir? – fiz uma careta pra ele. jesus, eu precisava controlar essa minha lingua ou ia acabar falando besteira. 
-Tudo bem. Sem problemas. 
Começou a tocar uma musica que eu amava no taxi, e é claro que comecei a dançar, completamente dominada pelo alcool em meu sangue. 
-Voce é muito louca, meu Deus.. – ouvi Thomas murmurar, me olhando e rindo. 
-Voce adorouuuu que eu sei!
-Adorei o que, Hanna?
-Essa noite! Foi muito boa! – dei um soquinho em seu ombro, rindo. – Foi demais! 
-Voce ama uma festa, né?
-Ah, que saudade que eu taaava de uma festa.. eu adooooroo! – falei, dançando ainda. 
-Foi bom. Podemos fazer isso de novo. 
-Voce quer fazer isso de novo?
-Com voce. 
-Só comigo? – parei, olhando-o. 
E foi na hora que o táxi parou na porta do meu predio. Thomas ficou me olhando e sorrindo por um minuto, mas logo se recompos e disse:
-Ahn.. voce quer que eu suba com voce?
-Nao, tudo bem. Só avisa meu chefe que vou chegar atrasada hoje no trabalho. – ele gargalhou quando eu o disse, saindo do carro. 
Eram quatro da manha. 
Nem fudendo eu iria acordar dali a 4 horas pra ir pro trabalho e ele sabia bem disso. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *