A Estagiária – 4

– Sou Thomas Benjamin, da Life & Image. – se apresentou rapidamente – Estou ligando a respeito da entrevista que fez conosco no final da semana passada e gostaria de saber se ainda lhe interessa a vaga na nossa empresa.
– Sim, claro – respondi de prontidão – me interessa muito.
– Gostaria que viesse aqui para fazer alguns dias de treinamento, e se der tudo certo, trabalhar efetivamente a partir de semana que vem.
Meu coração bateu mais forte. Será que eu finalmente iria conseguir um emprego?
– Entendo, e quando começo o treinamento? – perguntei, tentando soar contida.
– Amanhã – respondeu. – Esteja aqui as oito e meia e minha secretária irá te passar todas as informações. Tudo bem por você?
– Com certeza.
– Ok, Hanna… Digo, Srta. Preston, nos vemos amanhã.
Ele desligou antes que eu pudesse responder.
Sai do banheiro e coloquei meu celular junto aos outros em cima da mesa.
Reprimi um grito animado mas deixei o sorriso escapar.
Tina veio até a mesa para se servir um drink e me encarou.
– Tá tudo bem? – perguntou em meio a um sorriso.
– Tá sim, mas acho que vou ter que ir, acabei de receber uma ligação e preciso acordar cedo amanhã.
Tina revirou os olhos.
– Nem pensar. O sol nem desceu ainda – ela apontou para o mesmo com seu copo agora cheio. – Você pode ficar e se divertir mais um pouco.
Suspirei fundo.
Ela estava certa, eu podia ficar mais algumas horas e isso não faria um mal.

Acordei com algo lambendo minha mão e na hora repuxei-a, assustada. Sabe aquele momento que demora cerca de cinco segundos para identificar aonde voce está? Estava passando por um desses agora. Eu estava deitada num sofá. Certo. Tinha um cachorro lambendo minha mão, que estava suja de.. cerveja? Céus. Esperava que aquilo fosse cerveja.
Não era o sofá de minha casa. Certo.
Certo? Puta merda.
Meu coração acelerou por uns segundos, mas ao ver o rosto de Tina jogado na quina do outro sofá, em frente a mim, me acalmei e me lembrei de tudo. Encostei-me de novo no sofá e dei um suspiro aliviado. Encontrei meu celular na mesinha ao meu lado e peguei-o, por costume de mexer ao acordar mesmo. Quando vi que horas eram: 8 horas de quarta feira. E me toquei no que tinha hoje: o emprego.
Eu tinha que estar na empresa oito e meia.
Dei um pulo do sofá, assustando o cachorro de Tina, que me fez dar uma gargalhada exagerada.. eu ainda me sentia meio tonta, graças as infinitas cervejas de ontem.
-Tina, acorde! Anda, amiga. – Sacudi a menina até ela resmungar e se sentar.
-Que é, menina?
-Eu tenho um treinamento de emprego para daqui ha MEIA, repito MEIA hora! Eu preciso de roupas e ir tomar banho, nao dá tempo de passar em casa e muito menos fazer isso lá, pra depois sair.
-Puta que pariu. Eu só te chamei para minha festa de aniversario, nao para me responsabilizar dos teus atos. Pode pegar a roupa que quiser no meu quarto e fique a vontade, vai, vai logo!-OK.
Corri apressada pro quarto dela, e comecei a procurar por algo decente e que desse para causar uma boa impressão no meu primeiro dia. A sorte era que Tina tinha o mesmo corpo que eu, e vestia o mesmo que eu. Na época de faculdade viviamos trocando roupas emprestadas, o que era muito bom, ja que ela tinha um gosto excelente para roupa.
Escolhi um macaquinho com decote V no meio, preto, de algodão mesmo. Peguei um all star branco seu e corri pro banheiro.
Consegui tomar banho em menos de vinte minutos, graças ao chuveiro super potente que tinha na casa de Tina. Vesti-me, dei uma arrumada em meu cabelo e a maquiagem ficava para na hora do carro, mesmo.
Saí apressada da casa de Tina, já eram oito e meia.
Ai, que minha santa Kim Kardashian esteja comigo.
-Obrigada, amiga, depois te devolvo essa roupa, ok? Beijo! – Despedi-me apressada dela, peguei minha bolsa, minhas roupas e saí em disparada para o estacionamento do prédio dela.
Peguei meu carro, joguei minhas roupas no banco de trás e fui rumo ao escritório da empresa.
Ao parar em cada sinal, era um troço que passava no rosto: no sinal da esquina, prendi meu cabelo, passei a base. Quando ficou verde, sujei o volante todo ao encostar meus dedos nele, – depois disso, comecei a tentar dirigir nao encostando todos os dedos da mao. Foi dificil. -. No sinal que já dava pra dois quarteiros perto da empresa, passei um pó compacto rapidamente e já consegui passar o rimel.
Olhei para o lado e vi um senhor no carro dele, me olhando e rindo. Devia estar pensando: “o que essa estranha ta fazendo?”. Mas continuei, é claro. Nao podia -nem no sonho- chegar no primeiro dia com cara de ressaca. Seria despedida depois de dez minutos.
Quando cheguei na esquina da empresa, joguei meu carro no estacionamento, peguei minha bolsa e corri -literalmente, corri- para dentro do prédio.
O elevador abriu e revelou uma Hanna despenteada, com o rosto com um pouco demais de maquiagem e um macaquinho meio curto para o primeiro dia. Estava no campo de visão de Thomas, que na hora que o elevador parou e abriu, olhou na minha direção, com um sorriso no rosto. Pude ler “vou ter trabalho com essa garota” na sua testa.
-Voce está atrasada. – Ele disse assim que entrei e fui em sua direçao.
-Nao vai se repetir, juro. – Falei apressada.
-Venha pra minha sala, vou te mostrar o que fará hoje.
Segui meio correndo, meio andando, atrás dele e ao entrarmos na sala dele, reparei que ele demorou um momento seu olhar na minha roupa.
-Agora entendi porque voce perguntou aquilo sobre minha roupa na entrevista. – Eu disse, olhando-o, assim que ele se sentou em sua poltrona.
-Desculpe. – Falou, meio constrangido. – Só achei.. diferente sua escolha. Para o seu primeiro dia.
-Certo. – Nossos olhares nao se desviaram por um momento e fiquei constrangida. Me senti inferior, sendo que eu era mais velha que aquele moleque. – Entao, como vai ser hoje?
-OK. Minha secretária, Isabella, vai passar parte do dia com voce só para te observar e no caso de voce precisar de ajuda, tambem. – Eu assentia enquanto ele falava. Benjamin usava uma calça preta, social, e uma blusa social tambem, azul bebe. Ele se vestia muito bem, precisava admitir. – Hoje voce só vai dar uma olhada no movimento, saber como funciona as coisas. Amanhã, que espero que voce chegue mais cedo, – me lançou um olhar forte e eu assenti de novo – eu já te passo umas tarefas. Pode ser?
-Claro.
-Certo. É só isso mesmo. – Ele pegou seu telefone que ficava em cima de sua mesa, discou um numero, e chamou pela secretaria, para ela me buscar aqui. – Isso, venha pegar a novata, por favor.
Ri assim que ele disse “novata”.
Levantei-me, mas antes de sair da sala, virei-me para Thomas novamente, e disse:

-Posso te fazer uma pergunta, se voce nao se incomodar?
-Sim, claro. – olhou-me.
-Por que voce me contratou?
Thomas sorriu, balançando a cabeça.
-Eu ainda estou tentando descobrir.
Ficaria com o aquele olhar que ele lançou para mim o dia todo na cabeça. 


Era pra eu ter postado esse capítulo na quinta, eu sei, perdoem-me!
Mas mesmo com atraso, saiu, hehe. 
Fiquem ligados, terça às 20h tem mais!
Besin, besin
Giulia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *