A Estagiária – 5

-Bom, prazer, meu nome é Isabella. – Ela foi a menina que me achou perdida no meu primeiro dia e que chamou Thomas para vir me ver. Tinha mais ou menos o meu tamanho, e diria que a minha idade. Estava bem mais vestida que eu, de calça jeans e uma camisa social da Lacoste. Tinha belos cabelos loiros e longos, pelo que reparei. – Agora vou fazer um tour por aqui com voce. Só para voce se familiarizar com o espaço, ok?
-Claro.
Isabella me mostrou uma mini cozinha, que tinha no fim do corredor – que era preenchido de salas que eram chamadas de “salas de desenvolvimento”, de onde saía ideias de produtos e anuncios -, voltamos a sala principal, a qual ficava em frente a sala de vidro de Thomas – que na hora que passamos por lá, me lançou um sorrisinho – e me mostrou uns boxes -tipo box- que havia ali, onde tinha gente trabalhando também, em computadores, mexendo em photoshop e essas coisas.
Conheci uma estagiária, chamada Camille, muito simpática e super gente boa, que seria quem eu perseguiria pelo resto do dia. Ela, por enquanto, estava encarregada de ler emails e propostas para a empresa, repassar as mais cabiveis para Thomas e ignorar todo o resto. Além disso, ela servia café para todos na empresa, por pura cortesia.
Camille tinha um daqueles boxes dos quais falei, e eu estava sentadinha ao seu lado, observando-a responder emails, quando notei uma garota no box de frente, igual a mim: com uma pessoa no computador e ela do lado.
-Quem é aquela menina ali? Ela é nova também?
Camille olhou para o lado por um momento e a viu.
-Sim. Além de voce, Thomas aceitou ela e mais um rapaz, que está no laboratório, ajudando a consertar um computador.
-Sério isso? – Fiquei toda arrepiada.
Quer dizer que nós tres estavamos competindo pela mesma vaga? Tipo: fudeu!
-É, ué. Ele sempre chama mais de uma pessoa e as põe em teste, para se caso nao der certo… Nao devem ter te contado para voce nao ficar nervosa. Aposto que eles tambem nao sabem. Mas relaxa, Hanna, todos vao gostar de voce.
-Espero.. – Estremeci.
-Voce se formou tem muito tempo?
-Nao, uns tres meses só. Por que?
-Entao, ter pouco tempo de formada é bom, é bom a empresa saber que aqui foi sua primeira escolha. Sacou?
-Saquei.
-E aí, mora sozinha, tem namorado, solteira, cinco gatos de estimaçao? – Ri com suas perguntas. – Desculpe, só quero te conhecer melhor mesmo.
-Solteira. Nenhum gato. Moro sozinha.
-Ah, Jesus de Alá.. Por que tanta solidão?
-Ai, Camille, sei lá. – Eu ri, pensando sobre. – Eu tinha um namorado na faculdade, mas ele se mudou para outro estado, tentamos manter e nao deu..
-Triste história de amor. É o “Romeu e Julieta” de hoje em dia: a distancia! Te entendo, querida. E pode me chamar de Mona, ok? Meu sobrenome é “Monnerat”, mas pegou esse apelido de “mona” por aqui.
-OK. Mas e voce? Está aqui ha muito tempo?
-Na verdade, nao. Tem só.. Quase um mes. Demora para voce se acostumar com a correria do inicio, mas depois voce se acostuma. E no almoço, todo mundo come num restaurante aqui na esquina, que é barato e bom, aí eu te apresento a todos e voce vai se sentir melhor.
-Ah, que ótimo, eu adoraria.
-A unica coisa que voce, definitivamente, terá de mudar, vai ser esses seu modelito. Digo, está ótimo, mas para uma entrevista de famoso ou um show.
-Ah, é de uma amiga minha. Eu dormi na casa dela e saí atrasada, nao vai se repetir. Minhas roupas tem mais.. minha cara.
-Espero que isso seja um bom sinal. – nós rimos.
Quando eram quinze para meio dia, Thomas saiu de sua sala, deu uma olhada ao redor -tive a impressao de que ele estava me procurando, mas vai ver era só coisa de minha cabeça mesmo. – e depois, nao é que seus olhos pararam logo em mim?
-Hora do almoço, pessoal.Na mesma hora, todo mundo pegou sua bolsa, suas coisas e começaram a sair dali.
-Vamos? – Mona disse para mim, se levantando.
-Claro.
Antes de sair, no entanto, senti alguem encostar em meu braço e virei-me, notando Thomas atras de mim.
-O que está achando?
-Te respondo no fim do dia. – Dei uma piscadela para ele e sorri.
Um rapaz de pele morena, estava ao meu lado, viu a cena e ergueu sua sobrancelha, do tipo “humm”, sorrindo.
Andei ao lado de Mona até a esquina do prédio, e ao entrarmos no restaurante, dei um suspiro aliviada por estar vazio, já que eu estava morta de fome e só queria comer logo.
Sentei a mesa com ela e logo veio uma cabeçada conosco.
Ao sentarmos, Mona se levantou, dizendo:
-Galera, essa com roupa de top model meio Kim Kardashian, é a Hanna! Ela está em treinamento e é legal pacas!
-Oi, Hanna! – Todos disseram em unissono e eu fiquei arrepiada.
-Oi, gente. Prazer. – Sorri para todos.
-Vamos nos servir, sim? – Camille deu a ideia.
-Claro.
Depois de nos levantarmos, alguns ficaram a mesa, e fomos pegar um prato e nossa comida: o restaurante era self-service, o que ja era mais rapido.
-Eu vi aquilo, ein? – O moreno que fez aquela cara de “humm” antes de sair da empresa, parou ao meu lado, quando eu estava sozinha, pegando minha comida.
-O que? – Ri, achando graça da situaçao.

-O chefão em cima de tu. Desde quando voce entrou na empresa, descabelada e exalando progesterona e estrogeneo, ele nao tirou os olhos de voce. E ainda depois veio perguntar se estava tudo bem.. – Suspirou, de modo dramatico. – Quero um Erick desse no meu castelo marinho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *