Nosso ritmo – 12

-Uh uh ein? Depois vem dizer que não quer nada com Dylan! Ai, ai.. 
Olhei pra Jane que entrou no quarto logo de desaforo pra mim e revirei os olhos na hora. Eu seria zoada pelo resto da noite, já previa isto. 
-Posso nem me arrumar mais, huh? 
-Demais, nao. –Ela riu, ajeitando os cachos que tinha feito na frente do espelho. –Vamos logo então, Miss? 
-Já vou, ok?
-AAAAh, é, o bonitao vem te buscar aqui as 20h nao é? Me esqueci dessa parte..
-Como se voce nao tivesse se interessado em Drake né, Jane? Faça me favor. –Peguei minha bolsa, retoquei meu batom, ajeitei meu vestido e saí logo do quarto. 
Eu nao estava tão escandalosa quanto ela queria dizer, sério. Havia colocado meu vestido azul marinho de um ombro só e coladinho. Incrementei o look com um sapato preto, bem neutro e estava ótimo. Deixei meu cabelo bem lisinho, da forma que eu gostava e era só esperar por Dylan agora.
E na mesma hora que voltei a sala onde todas as meninas estavam sentadas, terminando de arrumar o cabelo ou a maquiagem, ouvi a campainha tocar.
-Opa. É minha carona. –Falei, indo de fininho pra porta.
-Juizo ok, mocinha? Quero todas aqui 00h. 
-00h? Trayce, é um LUAU! Luau termina bem depois disso, sabia? –Brianna logo mostrou sua indignaçao a ordem de Trayce. 
-Problema do luau, ué. Eu quero voces aqui 00h, porque amanhã cedo STELLA tem ensaio, e voces alongamento. 
-Alongamento? Que? Já vai começar tudo de novo…? –Ariel choramingou. 
Nosso alongamento era todos os dias, bem cedo, nós passavamos até HORAS nos alongando. Era bem chato e entediante. 
-Bom, voces que se resolvam. Eu volto a hora que Trayce determinar. –Dei um sorrisinho pra ela –Tchau, vejo voces lá!
Saí apressada e assim que cheguei na porta, Dylan me esperava mais fofo do que nunca. 
Ele usava uma bermuda branca, com uma blusa rosa salmão e estava com um tipo de alpargata em um tom que combinava perfeitamente com seu look. De mãos nos bolsos, me olhou com um sorriso tão fofinho assim que me viu indo em sua direção.
-Oi. –Eu falei timidamente.
Ele era o “primeiro encontro” assim dizemos depois de um tempinho.. Eu nao sabia o que era esse sentimento todo de ansiedade, nervosismo, desde um bom tempo. 
-Uau..Voce tá linda!
-Obrigada. –Soltei uma risada meio envergonhada –Vamos entao? 
-Claro. 
Conforme o lado da praia que aconteceria o luau era bem perto dali, fomos a pé mesmo. Hora ou outra, percebi que nossos braços se esbarravam –acredito que era de propósito –e eu sentia o olhar de Dylan sobre mim, mas eu olhava pro calçadão do meu lado, como se nem tivesse percebendo ele ali. 
-Seu primeiro luau? –Ele quebrou o clima incomodo que se formava.
-Pra falar a verdade, é sim. –Encarei seus olhos castanhos e meu Deus, pareciam mais claros ainda a luz da lua! –Seu, também? 
-Não, não. Minha família é do Hawai, então nós já frequentamos muitos luau’s, como imagina.
-Que legal! Voce mora aqui ou só passa as férias aqui? –Perguntei enquanto já entravamos na praia. 
-Eu passo as férias mesmo. Meus tios tem uma casa aqui e eles gostam muito daqui. Mas moro em Boston, sozinho. 
-Sozinho? –Ergui a sobrancelha, sorrindo enquanto tirava meus saltos –Que sonho.. 
-É! Eu consegui me formar em uma faculdade lá, e fiquei por lá! Mas é bem chato. Digo, eu tenho uns amigos, e até parentes distantes na cidade, mas eu ainda me sinto um pouco sozinho sabe? 
-Quem sabe quando eu voltar pra Nova York nao passo lá e te faço uma visita? 
Nossa. Aquilo foi tão espontaneo que eu só me dei conta do que tinha dito, depois que disse. 
Dylan ficou meio constrangido, mas logo olhou pra mim em resposta, balançou a cabeça e com um sorriso no rosto respondeu: 
-Eu adoraria. 
E entao aquela sensaçao toda de idiota que eu estava sentindo, passou.
-E-Ei, Cooper! –Ouvimos um amigo seu gritar e o mesmo logo veio cumprimentá-lo –Mas vejo que já tem companhia, huh? –O moreno sorriu pra mim –Sou Jack, prazer. 
-Prazer, Jack. Stella. 
-É. Eu a chamei, espero que nao tenha nenhum problema.. 
-Nao, de forma alguma meu amigo. –Jack sorriu pra nós dois –Entao, ali tem uma mesa com uns drinks e tudo mais, fiquem a vontade e aproveitem a noite!
-Obrigada. –Eu sorri pra ele. 
-Você é mais do que bem vinda aqui, viu, Stella? Pode apostar. –Jack deu um sorriso bem “marcante” pra mim e logo passou pela gente, cumprimentando outro rapaz. 
-Bem discreto ele, nao acha? –Dylan disse olhando pra mim, suspirando. –Velho Jack. Nao mudou nada nesse verão. –Eu ri – Vou pegar algo pra bebermos, ok? 
Fiquei parada olhando ao redor, e percebi que muitas pessoas iam chegando aos poucos. Era bom estar em uma festa que nao importa sua roupa, se é de grife, se seu cabelo está arrumado.. O que importa é se sentir bem, e sem duvidas, com a pessoa certa ao seu lado. 
Nao consegui evitar e mantive meus olhos onde vi Austin e seus amigos em uma roda, tomando cerveja e conversando. Ele estava todo de branco e descalço também, seu cabelo sempre bem arrumado e mesmo de longe, cada vez que ele ria, era como se eu pudesse ouvir perfeitamente o som de sua risada apesar do volume da musica e da distancia em que estavamos. 
E foi quando algo –brutal?- aconteceu. Foi tão inesperado, que nao tem nem um adjetivo que possa descrever o quão –sinistro?- foi. 
Ele olhou de volta pra mim. Ele nao olhou em volta, até me achar, ou foi olhando as pessoas até me encontrar, nao. Ele simplesmente levantou seu olhar e foi exatamente em minha direçao. Pra mim. 
-Aqui está. –Dylan rapidamente voltou, trazendo nossas bebidas e me tirando daquele momento estranho. 
-Obrigada. 

Ele sugeriu pra que nós caminhassemos um pouco pela praia, e achei ótima a ideia. Eu nao podia deixar simples acontecimentos como esses me devastarem. Porque eu no fundo sabia, que eles poderiam acontecer várias vezes. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *