Nosso ritmo – 19

Austin:
Depois de um bom banho, coloquei meu pijama e me virei na cama, fechando os olhos e tentando dormir. Mas é óbvio que eu nao conseguiria.
Nao saía da minha cabeça aquela imagem de Stella no bar. 
Flashback: 
Eu havia entrado naquele bar feito um louco. Quando a vi, de costas, virando uma porrada de doses de vodca, e rindo com o barmen, subiu uma coisa inexplicável no meu corpo. 
Na hora, tive a sensação de ter voado praticamente em cima dela pra poder tira-la logo dali e fugir com aquela garota pra qualquer lugar, bem longe, bem longe da bebida, bem longe da fama, longe de tudo. Onde só pudesse ser nós dois e nossos sentimentos. 
Sem mais nem menos, cheguei por trás dela e puxei seu braço, arrastando-a praticamente daquele banco. 
-E-Ei! Vai com calma ok? –Stella disse numa voz enrolada.
-Vamos embora, Stella. 
Carreguei-a –praticamente- pra dentro do carro, e assim que entramos, o temporal nao parava de cair. Coloquei minha jaqueta nela, e uma touca, pra que nenhum paparazzi a reconhecesse e pronto, tudo fosse mais uma vez por agua a baixo. 
-Por que voce está fazendo isso? Podia muito bem me deixar lá.. 
-Eu também nao sei, Stella. Eu nao sei ok? 
-Voce gosta de mim, nao gosta? –Ela disse rindo e encostando a cabeça no banco –Eu sei que gosta, Butler..
-E QUE DIFERENÇA FAZ? –Soquei o volante e acabei assustando-a um pouco. –QUE DROGA! Só.. só fique quieta ok? 
-Eu sei que eu sou assim. Sou complicada demais.. Mas eu sinto sua falta, sabia? E é engraçado, porque eu nao gosto de voce, cara. –Stella voltou a falar sem parar e a rir –E-Eu juro que nao gosto! Mas é estranho, me entende? É como se voce fosse minha casa! Eu sempre me sinto confortável quando estou com voce , e me sinto mal quando estou longe. 
-Voce nao sabe o que está dizendo. 
-Ah, sei sim! Nao existe aquele ditado, pense bebado escreva sóbrio? Então. Fale bebado, esqueça sóbrio. –Ela gargalhava –Ai, ai.. É Austin. É assim mesmo. Um dia a gente fica junto de novo, voce vai ver. 
-Eu nao quero ficar com voce mais, Stella. 
Na hora que eu disse isso, o que eu menos esperava aconteceu. Ela parou de rir, ficou extremamente séria, e me olhou, quase chorando ao dizer: 
-Me desculpe. 
Apenas assenti, prestando atenção no transito e nao falei mais nada. 
-Eu sei que nunca na minha vida vou lembrar de ter lhe dito isso, mas quer saber? Foda –se! Talvez seja minha ultima oportunidade de dizer. Eu estou me apaixonando por voce, Austin. De novo. E eu nao quero que volte aquilo tudo, por isso que ainda existe uma parte de mim que nao gosta de voce. 
Enquanto a outra.. a outra nao ta mais se aguentando, por que se tudo fosse tão facil, ela já estaria nos seus braços de novo. 
Brequei o carro e olhei sério pra Stella, ainda sem ter digerido muito bem aquelas palavras. Aquelas palavras que eu tive que ver Stella completamente fora de si pra poder dizer. 
E eu nao sabia o que era pior: ela falar aquilo – e eu sabia que era verdade, eu sabia quando Stella estava mentindo e ela definitivamente, nao estava –e no dia seguinte nem se dar conta do que disse, ou então, ela nunca mais poder falar isso de novo a mim, por causa desse orgulho imbecil. 
Flashback off. 
Peguei meu celular e fiquei olhando sua foto anexada em seu numero, e alisando a tela, pensando se ligava ou não pra ela.  
Boa noite, amy. –Sussurrei, deixando de vez o celular na mesa de cabeceira e fechando os olhos, até adormecer completamente com sua imagem em minha mente. 

No dia seguinte, acordei com uma mensagem de numero desconhecido – o que me deixou mais mal humorada do que o normal –mas logo mudei a postura quando vi o conteúdo da mensagem:
Bom dia, Stella. Me perdoe estar te incomodando a essa hora da manhã, mas David estava indo pro Arizona e sofreu um terrível acidente de carro. Graças a Deus, ele sobreviveu, mas estão tentando ver se transferem ele pra um hospital daqui. Ele por enquanto está na UTI de um hospital de lá, e o médico disse que ele está instável. Austin acabou ouvindo minha conversa com ele, e ele na hora pegou o carro e sumiu. Nao acredito que ele tenha ido ver o pai, já que sua conta bancária está travada, mas voce é a unica que pode me ajudar. Eu lhe imploro, me ajude a procura-lo. Provavelmente, ele deve estar inconsolável. E voce, é a unica que conhece ele mais do que ninguém, a nao ser o pai. Ashley pra completar amanheceu doente, e eu nao sei o que fazer. Me ajude, por favor. Beijos e espero contar com voce. Lori.”
Pulei da cama e olhei no relógio, marcavam 8h da manhã. 
Quem diria que pra começar meu dia eu iria sair correndo atrás de quem eu menos esperava, nao é? 
-Jane, Jane acorda, pelo amor de Deus! –Sacudi minha amiga, que aos poucos despertava mal humorada. 
-Que que foi cara? 
-O pai do Austin sofreu um acidente no Arizona e estão tentando transferir ele pra um hospital daqui, ou mais perto. –Falei enquanto colocava uma calça jeans e uma camisa de manga cumprida conforme o tempo nao havia melhorado ainda –Lori está louca porque Ash está doente e Austin sumiu. Ela me pediu ajuda, então, vá com a Trace até a casa dela pra ajuda-la enquanto eu vou procurar Austin, ok?
-Mas o que.. –Ela logo deu um pulo da cama também, assustada –Claro, claro. Mas ligue pra Drake, avise aos meninos, Stella. Nao vá sozinha. 
-Pode deixar.
-Boa sorte amiga.
-Vou precisar. –Dei um falso sorriso saindo do quarto e dei logo de cara com Trace no telefone. Pelo que ouvi ela falando, deu pra sacar na hora que estava falando com alguém do hospital. 
-Lori já lhe avisou, querida? 
-Sim, Trace. Eu acabei de acordar Jane e pedi pra ela ir com voce até a casa de Lori pra ajuda-la. E eu vou procurar Austin. 
-Tem certeza disso, Stella? Talvez ele nao queira conversar.. 
-E quem quer conversar sobre essas coisas, Trace? –Abracei-a –Tomo café no caminho, nao se preocupe. 
Peguei meu carro na garagem de casa, peguei meu celular e fui ligando pra Dylan: 
-Oi? –ele falou numa voz de quem acabara de acordar. 
-Dylan? Me perdoe, te acordei? 
-Stella? O que aconteceu? 
-Eu só queria te avisar que Austin sumiu, e o pai dele sofreu um acidente de carro grave, e a madrasta dele pediu pra que eu a ajudasse a procurá-lo..
-Tudo bem. –Ouvi ele suspirar –Eu vou avisar aos caras e qualquer noticia te dou. Me avisa também, ta? 
-É claro. Me desculpe, Dylan.. 
-Está tudo bem. Nao se preocupe. Vá atrás dele antes que ele faça alguma besteira. 
-Espero conseguir chegar a tempo. 
Desliguei o celular e comecei a procurar por Boca Raton. Austin era complicado demais, mas era um tipo de complicação que eu já estava acostumada, e entendia. E logo no primeiro lugar o qual fui, eu achei ele. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *