Nosso ritmo – 2

-Wow! –Austin na hora se afastou como reação e ajudou a me reerguer devagar –Pelo visto suas longas noites nao mudaram nada, nao é? 
E desde quando ele estava me ajudando? Desde quando virou o garoto bonzinho? 
Pelo amor de Deus. 
Fiquei de pé novamente em sua frente, limpei minha boca com as costas de minha mão e dei um longo suspiro, voltando a me recompor. 
Austin era filho do famoso cineasta David Butler. Ele vivia fazendo “turnes” pelo país, estreando séries, filmes, e curtas. Uma vez, em Nova York, nós nos esbarramos em uma série. Eu nao bem atuei, só fiz minha parte: dancei. Foi ano passado mais ou menos, quando eu havia acabado de ser agenciada pela Jasmine Villegas e formei com minhas amigas o Bad Bitches or die, seu pai me contratou pra fazer a série, apenas umas participaçoes especiais. 
Eu topei na hora né, era o começo de minha carreira, então, eu tinha que aproveitar cada pico de audiencia. Mas estava tudo muito bem até a Jasmine e o David entrarem em reuniao, e sugerirem para nós –Eu e Austin –formarmos um casal. Dentro, e fora da série. 
Óbvio que fora da série foi só um “pr” (public relationship) –tipo um casal só pra atrair audiencia-. 
Mas foi um pesadelo, afinal das contas. Dentro da série, foi tudo profissional. Agora, fora? 
Imagina, uma garota da costa sul da Inglaterra, namorando o gostosão surfista da Califórnia? Foi um desastre. Os beijos, as palavras ditas em vão.. Cada coisinha bonitinha que ele falava pra mim, eu no fundo, acreditava. E isso acabou comigo. Completamente. 
Como eu imaginava, assim que a série acabou, nosso relacionamento também acabou. Foi bom, porque me trouxe mais audiencia ainda, e ruim, porque eu nunca mais tive um contato com Austin. E apesar de tudo, nós éramos muito amigos. Muito amigos, mesmo. 
-É. Certas coisas nunca mudam, nao é? 
-Depende. Quando a gente quer que mude, elas podem acontecer, nao é? 
-O que voce quer dizer com isso? 
-A questão nao é essa, Amy… 
-Meu nome é Stella, Austin. Stella Lloyd, ok? 
-AAAh. –Ele jogou a cabeça pra trás, rindo um pouco. Ele nao havia mudado nada, mesmo. –É seu nome artistico, entao? Porque eu só conheci a Amy Stella. 
-Que pena. –Dei de ombros –Conheceu a pessoa errada.
Fiz uma cara de “sorry, babe” bem bitch e passei por ele, voltando a minha caminhada. Mas quando eu estava me afastando mais, ouvi ele gritar: 
-E teria problema eu conhecer só a Stella agora? 
Virei-me aos poucos e fiquei parada, olhando pra ele, de braços cruzados. 
-O que você quer, Butler? –Me aproximei novamente, ainda de braços cruzados e cara amarrada. 
-Eu estou de férias, cara.. Vamos aproveitar isso tudo aqui! –Ele abriu os braços –Olha em volta, Stella! Eu tenho certeza que voce nao veio pra cá pra ensaiar pra uma nova nacional, nao é? 
-Eu estou com as meninas. 
-Uh.. Então o bad bitches or die está todo de pé, ainda? 
-E vai permanecer. 
-Essa marra não muda, ein? –Austin deu aquela risadinha de lado (por um momento senti minhas pernas fraquejarem. Mas só por um momento) –Vamos lá.. Eu estou no cais 9. Almoce comigo, a gente tem muito o que conversar. 
-Tem? Você disse que queria conhecer a Stella. Não tem que conversar com a Amy. 
-Quem você quer que eu conheça, então? Estou disposto a conversar com as duas.
-Estarei lá 12h em ponto. –Falei, desistindo e voltando a correr. 
E tive a ligeira impressão que deixei ele lá, sorrindo daquele jeito bobo de sempre. E eu, voltaria talvez a ser a Amy de sempre. Mas só se eu deixasse isso acontecer. E eu acho que realmente não vai rolar. 

Quando voltei pra casa é óbvio que não foi nada fácil convencer as meninas –inclusive a Trayce, que ainda ficou desconfiada –de que eu iria almoçar com uma velha amiga que encontrei na cidade. 
Porque, se eu dissesse que iria encontrar Austin, céus, eu ficaria paraplégica. Elas acabariam comigo.
Nenhuma gosta dele, nenhuma mesmo. 
Então, eu quando voltei, fiz questão de ainda ir a praia com todas, fiquei um tempo com elas, e logo depois, tomei outro banho, vesti um vestido tomara que caia florido, coloquei minhas sapatilhas e fui em direção ao cais 9, encontrar Austin. 
Não foi difícil achar a rua: quando cheguei, achei a maior e mais bonita casa já sabia que era dele. 
Toquei a campainha com um certo nervoso –certo não, enorme, melhor dizendo –e logo o portão branco foi se abrindo automaticamente, e vi Austin vindo em minha direção; mais lindo como nunca. Bermuda branca jeans, e uma camisa azul bebe. E ainda estava descalço! Jesus. 
-Entra, fica a vontade.
-A gente não vai sair? –Franzi o cenho, ainda parada.
-Claro que não. –Austin riu –Vem, meu pai e Lori estão esperando a gente lá dentro.
Lori era sua madrasta. Uau, ele ainda estava com ela? 
-OK. 
Entrei –ainda morrendo de vergonha –e mais sem graça ainda, porque Austin não parava de sorrir e olhar pra mim. Assim que entramos na casa, algo colidiu com minhas pernas, e eu logo olhei pra baixo, assustada. 
Mas era apenas a pequena Ashley! Que de pequena não tinha nada, ela já estava andando.. 
Ashley era a meia-irmã de Austin, filha de sua madrasta com seu pai. Ela teve a bebezinha ano passado, me lembro dela. David algumas vezes a levava para o set e eu ficava brincando com ela. 
-Ashley? –Eu me abaixei, mexendo com a garotinha. –Voce está enorme, meu Deus! 
-É.. A pirralinha cresceu rápido mesmo. –Austin passou por mim e ficou mais na frente, me olhando. –Lembra da Am.. Stella, Ashley? –ele travou antes de dizer meu nome, reparei –Lembra? –Falou, brincando com a mãozinha dela. 
-Posso pegar ela? 
-Claro. 
Abaixei-me e peguei Ashley, ela ficou toda boba em meu colo. Estava com um vestidinho rosa, e com uma chuquinha no cabelo, parecia uma bonequinha! 
-E-Ei bebê –Falei em uma voz manhosa brincando com ela –Voce lembra de mim? Huh? 
-Hu-hum –Ela emitia sons, sorrindo pra mim. 
Gente, que bebe apaixonante. 
Que nem o irmão. Ai Jesus. 
-Olha só quem já chegou! –David chegou da cozinha com Lori ao seu lado sorridente e bem linda. 
Ela era aqueles tipos de atrizes que tinham filhos, -independente de quantos –e mantinha o corpão. Ela era muito linda, mesmo. Loira, dos olhos claros, manteve a família de Austin no topo. 
-Oi querida! –Lori veio me cumprimentar e eu logo coloquei Ashley no chão –A pequena Ash pelo visto não te esqueceu! 
-Verdade! Ela está enorme já.. 
-E muito arteira! 
-Oi, Stella.. –David me cumprimentou com um abraço apertado –Senti sua falta, menina! –Ele sussurrou em meu ouvido. 
-Oi, David! Ah, eu também. –Sorri, sem graça. 
-Então,o almoço já está na mesa! Vamos? –Lori comunicou, levando Ash no colo. 
-Claro. 
Nós seguimos pra cozinha, David se sentou na ponta da mesa, Lori na outra ponta, e Austin ao meu lado, na lateral. Parecia aqueles almoços de “oi mãe, pai, essa é minha namorada”. Mas tava mais pra “mãe, pai, minha ex, lembra?”. Que vergonha. 
-Então Stella, eu vi a ultima Clair e você estava bem na capa, ein? 
-É! me chamaram pra posar, e foi loucura.. De modelo eu não tenho nada. 
-Só corpo, mesmo. –Austin disse, debochado e eu cotovelei ele. 
-Mas ele está certo querida. –Lori disse, sorrindo –Voce está maravilhosa! 
-Obrigada Lori! Estou tentando chegar a você.. 
-Já me passou então. –Ela rapidamente disse, fazendo todos nós rirmos –Voce está em turnê por aqui, ou só tirando uma folga? 
-Uma folga mesmo. 
-E depois daqui segue pra onde, me desculpe a pergunta? –David quis saber. 
-Pai. –Austin bufou. 
-Que isso, tudo bem. Eu vou pra Itália. Tenho um projeto pra realizar lá e umas apresentações. 
-Eu ainda tenho nosso contrato, ein? Quando você quiser voltar pras telinhas.. Estamos ai! 

-Voce e Austin eram um bom par, querida. 

Já viram o quanto esse Austin vai ser trouble, nao é? 
Os capítulos dessa história vao ser um pouco maiores, espero que gostem mesmo assim! 
Fiquem ligados porque amanhã e quinta tem mais!
Besin, besin, Giulia. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *