A Aposta -26

-Entra no carro, por favor.
Depois de um longo suspiro, ela entrou e se virou pra mim. 
-Eu sei que você não quer falar comigo, e não vai acreditar.. Mas eu estava completamente bêbado naquela noite, Gabriela. Desde sexta quando você foi embora, tudo que eu sabia fazer era encher a cara, pra tentar cobrir aquela saudade toda que eu estava de você, me entende? Eu queria te ver logo, te abraçar, e sei lá.. Dizer que esta tudo bem apesar d’eu saber que nem tão cedo pode ficar. 
-Você gravou esse discurso desde que horas? –Ela riu, me olhando. 
-Eu sabia que não seria fácil te convencer.
-Sim, nisso você acertou, pelo menos. 
-Me perdoa, Gabriela.. –Minha voz falhou e eu fitei o chão, voltando a olhar pra frente, e ligando o carro –Me perdoa. Eu quero tanto você de volta pra mim, eu preciso tanto de você.. 
-Imagina se depois dessa merda toda que eu fiz, eu tivesse saído pra encher a cara? E ficado até mesmo com aquele cara da lanchonete? 
-Você não faria isso. 
-É exatamente assim que eu to me sentindo agora. Completamente decepcionada.
-Nós nos decepcionamos. Vamos nos dar outra chance, Gabriela, nós podemos fazer isso.
-A questão não é poder. Será que merecemos mesmo uma segunda chance? Depois de tanta sujeira, tanta mentira, tanta… 
-Quem ama não abandona, Gabriela. E é por isso, que eu estou aqui, quase que de joelhos tentando te convencer do quanto –Eu parei. 
Eu não sabia se conseguiria dizer aquilo novamente. 
-Do quanto o que, Noah? 
-Do quanto.. Do quanto pode valer a pena nós ficarmos juntos novamente. 
-Eu não sei. –Ela disse com uma voz rouca, olhando pela janela –Não sei.
Ouvi seus soluços, e Gabriela começou a chorar. 
Na hora eu parei o carro em frente a sua casa, e perguntei, afagando sua coxa : 
-O que aconteceu, Gabriela? Por que está chorando? 
Ela olhou pra mim, tremendo. Ela estava transtornada, vi medo em seus olhos. 
-Noah, me desculpa, eu não queria isso.. 
-Você não tem que se desculpar, linda.. –Afaguei seu rosto com minha mão, engolindo em seco –Eu estou aqui, se lembra? 
-Não, não é isso, Noah.. –Ela suspirou, tirando minha mão de seu rosto. –Noah.. 
-Fala logo o que aconteceu, Gabriela. 
-Eu estou grávida. 
Meu corpo todo parou. Parecia que eu tinha levado um soco agora. Se bem que com um soco, eu ainda teria como reagir, ainda teria esse pensamento. Mas com essa notícia, nada disso aconteceu. Eu não sabia o que pensar, muito menos o que falar. Eu não esperava isso de forma alguma.
Gabriela apenas me olhou e assentiu, se controlando um pouco mais. Ela abriu a porta, e saiu, entrando em casa. Não disse mais nada. Nem eu. 
O que eu teria a dizer num momento como esses? ´´parabéns, amor?´´ (?) eu engravidei uma garota de 17 anos, cara.
E pior, eu não queria.
Mas eu amo essa garota. 

Droga, cara. É isso. Eu a amo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *