A Estagiária – 24

-Amo. 
-Ótimo. Desculpe pelo convite repentino, estamos tentando fechar um negócio com um desfile que está por vir e está dificil e tudo que eu converso sobre é trabalho. Aqui, em casa.. 
-Em casa?
-Eu moro com meu pai agora. Pessima escolha. 
-Ele nao deve ser tao ruim assim.. 
-Porque voce ainda o conheceu. 
“Ainda”?
Apenas assenti, sorrindo. 
Chegamos no restaurante que ele sugeriu pouco depois. Encontramos uma mesa vazia num canto, perto de uma janela que dava pra uma floresta, uma bela vista.
-O que voces vao querer? –um garçom veio logo de encontro a nós, perguntando. 
-Rodizio, pode ser?
-É claro. – eu disse sentada em frente a Thomas. – queria um suco, também. 
-Uma coca. – ele pediu. 
-Num instante. 
Começamos a conversar e minutos depois, eu já me sentia completamente a vontade. Entre nós nao tinha climao, nao tinha nada de ruim, precisava admitir.
Até ele dizer:
-Quais filmes bons estao em cartaz?
-Como assim? – eu ri, meio confusa. 
-Voce sabe.. Eu vou ao cinema hoje com Camille e eu nao tenho ideia do que assistir. 
-Ah. Ahn.. ela gosta do Adam Sandler, pelo que pude perceber, e acho que tem um filme dele em cartaz. 
-Sério?
-Aham. – sorri, olhando pro meu prato meio infeliz. Ele tinha mesmo que falar sobre isso comigo?
-E tem algum lugar legal pra leva-la, depois do filme? Pra fazermos, sei la, um lanche?
-Tem uma lanchonete numa rua proxima ao shopping com umas pizzas boas. Acho que voces vao gostar de la.
-Pizza? Nao é muito intimo?
-Nao? – eu ri, olhando-o. – eu como pizza com os caras, mesmo quando nao é nada demais.
-Voce come pizza com o Chris? – Thomas olhou bem pra mim assim que fez essa pergunta. 
Fiquei tao perdida que só ri, olhando-o. 
-Sao quase 1h, acho que devíamos voltar. 
Ele apenas assentiu, meio inconformado por eu nao ter respondido-o. Mas enquanto eu nao soubesse o que estava rolando aí, nao ia ficar falando sobre minha vida pessoal. Com outros caras.
Voltamos pro escritório e ele passou o resto do dia trancado em sua sala, e eu, sentada na minha mesa. Hora fazendo nada, hora vendo meu Instagram, hora atendendo ligaçoes.. 
Quando eram 4 horas e eu estava super entediada, cheguei em sua sala, perguntando: 
-Voce ainda precisa de mim, hoje?
-Nao. – ele disse, sem tirar os olhos da tela de seu computador, enquanto digitava algo. 
-Entao posso ir?
-Aham. 
-Ok. 
Fechei a porta, com um suspiro, peguei minhas coisas e saí dali. Nao ia deixar a bipolaridade do meu chefe acabar com minha sexta feira. 
Fui pra casa, tomei um bom banho assim que cheguei e fiz o melhor que eu tinha pra fazer: dormir. 
O problema foi que eu acordei só às 21h, com meu celular tocando. Peguei-o, meio assustada por ver que eu tinha dormido pra cacete e meio irritada por serem só mensagens de Camille. 

“Hanna, ta ai?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *