A Estagiária – 29

Graças a Deus me mantive ocupada o tempo todo, até o horário do almoço, que procurei sair o mais rapido possivel de dentro dali com Ariel, antes que Thomas saísse de sua sala e me encontrasse. 
Fomos pra um restaurante da esquina que tinha comida japonesa e nos sentamos nos fundos. Era a unica coisa que podia me acalmar nesse momento. 
Ok, nesse momento nada, sempre: comida. 
Após o garçom ir embora, já com nossos pedidos anotados, Ariel logo indagou: 
-Que que ta rolando?
-Eu e Thomas nos beijamos. E nao foi pouco. 
-PUTA QUE PARIU! – Ariel deu um puta gritao, fazendo as pessoas olharem rapidamente assustadas pra nós dois. – Meeeeu Jesuuuuus! Pai do meu útero que nao tenho, e agora? Nao.. Quer dizer.. Foi bom? Gostou? O que ele disse?
-Fique quieto, homem! Foi.. bom? Ah, foi bom pra caralho. – revirei os olhos, odiando admitir. – tinha acabado a luz e ficamos presos na dispensa, foi ontem isso. 
-E tem certeza de que foram só umas beijoca? 
-Foi, seu idiota. – rimos. – A gente ficou, ele ficou sem graça, eu mais ainda, meti o pé. Fim. E agora ele quer falar sobre isso. Que porra que eu vou fazer?
-Calma, amiga. Olha, voce primeiro tem que ouvir o que ele tem a dizer. E segue ele. Tendeu? Segue o fluxo. O que ele disser, concorda. A nao ser que voce discorde. Ah, menina, concorda mesmo assim, ta legal? Ele é um Deus! E voce ja conseguiu tirar a casquinha.. 
-Nao fala assim. – ri. – Ele é gente boa, de verdade, quando conhece ele. mas parece que quando estou quase lá, ele trava e ergue um muro na minha frente. E acabo sempre dando de cara. 
-Pode crer, ele sempre foi assim, meio reservado. Já o vi com muitas estagiárias, mas é aquilo né.. figurinha repetida nao completa album!
-Que horror!
-Só estou dizendo.. abre o olho, querida. 
E era que eu ia fazer: ficar de olhos abertos. 

-Olá. – eu disse depois de dar dois toques na porta de Thomas e entrar em sua sala.
Eu já havia acabado de fazer tudo o que precisava e fui direto pra sua sala. Estava nervosa pra caralho.
-Ah.. OI. – ele parecia surpreso em me ver. Me aproximei devagar de sua mesa, enquanto ele permanecia sentado. – queria falar com voce um minuto.
-Sim?
-Bom. – Thomas se levantou, me olhando sério. – queria pedir desculpas pelo que aconteceu ontem e, bem, isso nao vai se repetir.
Fiquei meio zonza até em ouvir aquelas palavras. Ta aí algo que eu nao esperava.
Claro que eu nao contava que ele fosse morrer de amores por mim, me pedir em casamento e me pedir 3 filhos e 8 cachorros, mas.. 
-Foi ruim? – as palavras escaparam de minha boca antes que eu pudesse me deter. 
Thomas parou por um instante e me lançou um olhar sincero, pareceu até o de noite passada, após nos beijarmos. 
Porém, o clima acabou no momento em que Camille entrou em sua sala, dizendo: 
-Thom, hoje a noite está de pé..? Opa, desculpe. Nao sabia que voce ainda estava trabalhando. 
Virei-me pra trás sorridente, fingindo que nada tinha acontecido e disse:
-Bom, entao é isso. Amanha te entrego esses relatórios. Boa noite pra voces. 
Passei por Camille que nem um fantasma: só queria sair dali o mais rapido possivel. Thomas permaneceu impassível. E isso era a resposta que eu precisava. 
-E aí, o que rolou? – Ariel foi logo pro meu box me encontrar, enquanto eu terminava de arrumar minha bolsa, pronta pra sair dali. 
-Eu só preciso encher a cara, ta, Ariel? 
-Opa, ta falando com a pessoa certa! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *