Mar de Aparências – Capítulo 1

Capítulo 1: Conhecendo o campus

-Que diabos você ta fazendo? – minha colega de quarto, Tina, perguntou enquanto eu tirava minha recém chegada mala do canto do quarto e começava a tirar minhas roupas dali para guarda-las no armário.

 -Desfazendo minhas malas?

-Astrid, pelo amor de Deus! Daqui a pouco vai começar a visita guiada pelo campus! Vão mostrar os melhores lugares pra tudo! E cá entre nós, no meio dessas visitas, sempre surge um convite pras festinhas!

-Mas eu já conheço tudo.

-Eu também, mas não conhecemos pessoas! Vai ver nossa terceira colega de quarto estará lá! Vamos, Astrid! Não vou deixar você ser vista como a antissocial antipática antiamigos!

-Isso é muito anti-não-sei-o que.

Eu já era conhecida dessa forma no colegial. Não me mataria continuar com a tradição.

Tina me lançou um olhar forte ergueu a sobrancelha. Isso definitivamente significava que era pra eu ir.

-Ok, te encontro lá embaixo em 5 minutos. Deixa só eu por minha legging.

-Se eu tiver que subir de novo..

-Tá, Tina, tá! –disse eu, entrando logo no banheiro com a calça na mão.

Estava um puta sol lá fora, e como eu não estava afim de ficar com as coxas assadas, é melhor por uma bermuda mesmo. Depois de vestida, dei uma arrumada no meu cabelo, peguei meu celular e desci.

O dormitório estava cheio de garotas correndo de um lado pro outro, com caixas nas mãos. Era engraçado ver tanta empolgação no início do semestre. Dali 2 meses, isso daqui vai estar vazio, porque todos estarão em seus quartos e/ou na biblioteca, comendo um livro.

-Ei, aí está você! – Tina disse assim que me aproximei dela, na porta do dormitório. – Ali tem uma fila pra fazer carteirinha. – apontou pra trás de uma das árvores, onde havia um aglomerado de pessoas com documentos em mãos. – E ali, fichas pra bolsas. Tipo, se você quer ser cheerleader, jogadora de basquete, etc..

Pensei por um momento em ser líder de torcida.

Não era má ideia.

-Tá pensando em sacudir a bunda com pompons nas mãos, né, safada? – dei uma cotovelada em minha amiga, rindo, enquanto ela me zoava. – Não é má ideia, na verdade. Os treinos começam amanhã a tarde. Podemos dar uma passada lá, se quiser.

-Pode ser!

-Quem quiser dar uma volta pelo campus, saber onde é o prédio de cada curso, vem comigo! – Uma ruivinha, alta, com cara de veterana, passou por nós com um bando de garotas seguindo-a.

-Essa é a nossa deixa! – Tina agarrou-me pelo braço, entrando atrás das meninas, na fila que já se formava.

Suspirei.

Ia ser uma tarde longa.

Depois de uma hora – que pareceram duas, andando de baixo de um puta sol, passamos em frente ao prédio que era só pra pesquisas e informática.

Eu me abanava com um folheto que recebi de um cara que estava distribuindo, sobre uma festa que teria mais tarde.

-Ali a direita temos a entrada do.. – E a ruiva não parava de falar um segundo.

-Só quero saber onde fica a saída.

Só me dei conta de que tinha dito isso em voz alta, quando ouvi uma voz masculina, ao meu lado, dizer:

-Acho que dá pra fingir interesse e entrar num desses prédios com ar condicionado e só sair de lá de dentro quando o pessoal estiver já do outro lado.

Ri, baixinho, olhando-o. Ele era um pouco mais alto que eu, branco e estava com a pele bronzeada do sol que fazia, olhos verdes e forte. Estava com um boné da universidade e uma bolsa grande, pendurada num ombro só, como uma pasta.

-Eu odeio essas coisas de calouro. Me sinto idiota, como se tivessem me ensinando algo que eu já deveria saber.

-Chegou hoje?

-Sim. – assenti, me abanando ainda.

-Então se prepara. Todo dia vai ter algo novo pra você ver.

-Você já conhece tudo por aqui, então?

-Ah, não. So estava passando pra informática mesmo.

-E vai perder um passeio desses?- falei irônica, revirando os olhos.

Ele riu. Que risadinha fofa.

-Eu passo, valeu.

-Vamos logo, não quero ficar pra trás! – Tina chegou, me puxando pelo braço, não me dando nem chance de me despedir do garoto simpático.

-E então, quem era aquele gatinho puxando papo contigo? – ela perguntou quando o tour pelo campus acabou e fomos tomar um cha gelado na cafeteria que achamos por perto.

-Não sei! –bati a mão na mesa, assustando-a um pouco. – você me tirou de perto dele antes que eu pudesse ao menos saber seu nome!

-Relaxa, na festa vocês com certeza vao se esbarrar. – jogou o cabelo pra trás do ombro, paquerando alguns caras que estavam na fila pra fazer um pedido.

-E quem disse que eu vou?

-Astrid, acorda! Cê vai ficar no quarto fazendo o que? Lendo?

Revirei os olhos.

Era proibido?

Terminamos nossas bebidas e voltamos pro quarto, onde achamos uma loira baixinha, de costas pra nós, arrumando sua cama.

-Oi? – falei, meio tímida.

-Oi, meninas! – ela olhou pra gente, sorridente. Deu pra perceber que era simpática, e também deu pra perceber umas manchas vermelhas – acho que eram de nascença- que tinham em seu braço.

-Oi! – Tina disse, se aproximando. – Sou Tina e essa é minha melhor amiga mais desanimada pra coisas de calouras, Astrid.

Dei um tchauzinho sem graça.

-Eu sou Bethanie, mas prefiro que me chamem de Beckie, prazer! Se não se importam, peguei essa cama do canto pra mim.

Eu já estava pensando em dormir na beliche com a Tina, de qualquer forma.

-Ah, sem problemas. – Falei, sorrindo. – Entao, você é daqui?

-Na verdade.. ahn, eu vim passar as férias de verão aqui, com meus pais pra visitarmos meus tios.. bem, sofremos um acidente de carro e eles não.. ahn, bem.. – dava pra perceber que ela estava muito incomodada em tocar naquele assunto.

-Tudo bem. Entao, você se inscreveu pra alguma bolsa? – Tina perguntou, tirando-nos daquele momento constrangedor.

-Sim, fui líder de torcida no colegial, então né..

-Ah, que coincidencia! Astrid está pensando em ir ao treino amanha. Voce acha que dá pra dar um empurrãozinho? – Tina tomou minha frente, dizendo.

-Ta louca? –repreendi-a.

-Relaxa, deixa comigo. Já falei com as capitães do time daqui e elas são gente boa pelo que vi. Vao gostar de você também!

Suspirei. Pelo jeito não adiantava mais fugir.

-Então, com que roupa vocês estão pensando em ir na festa hoje?- Beckie perguntou, sentando-se em sua cama escolhida. – Quero palpites.

Eu sabia que nessas primeiras festas do campus só dava gente bêbada. E um bando de calouros se achando, é claro.

Fiquei uns segundos apenas observando as duas tagarelarem sobre roupas, meninos e bla bla blá. Depois, saí de fininho do quarto e fui até o andar de baixo, onde tinham sofás, máquinas de café, Tvs.. Como se fosse o longe do dormitório.

Peguei um copo de café e sentei-me um pouco, observando as pessoas.

-Voce é nova aqui, não?- olhei pro lado e vi um loiro de olhos claros, sorrindo pra mim.

-Sim, cheguei hoje. E você?

-Veterano há 3 anos. Sou monitor e fiscal do campus. Erik, prazer. Se precisar de ajuda com alguma coisa..

-Ah, claro, obrigada. – sorri, meio tímida ainda.

Ele se afastou pra falar com outras pessoas que estavam por ali também e eu me levantei, voltando pro quarto.

Tina deixou uma mensagem, avisando que foi dar uma olhada no campus com a Beckie.

Ótimo, ainda tenho tempo pra vegetar mais um pouco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *